sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Meus 33 anos

Sempre quis fazer algo incrível no meu ano sabático. Já havia pensado em algumas idéias, mas o que aconteceu foi realmente impressionante. E não foi planejado, foi fluido e tão lindo como a sagrada dança do Universo. Só tenho a Agradecer pela experiência divina de ter vivenciado esse ano com tanta consciência e serviço. Comecei numa fazenda Maravilhosa, a mais bela de todas as 17 que passamos na nossa jornada, o Jardim mais encantado, desses mais lindos que de filmes, desses tão maravilhosos que me arrepiam e fazem sair lágrimas dos olhos... Comemorei com a presença de minha melhor amiga, e ganhei um oráculo do coração que trouxe tantas curas e presentes lindos e um banho de banheira com rosas com uma vista incrível do  tal Jardim encantado, ganhei cartões postais da equipe do jardim, e da nossa host com fotos das mandalas de alimentos da última  exposição de arte, ( essa que queria tanto ver, mas era apenas em outubro) ganhei uma proposta para cozinhar no evento de arte, sim esse que queria tanto ver e isso me gerou o dinheiro para poder ir a India ( que não estava nos planos mas houve o chamado do mestre e em seguida o dinheiro inesperado). Passamos 15 dias na Ilha de Eigg, uma grande vontade desde que assisti ao documentário sobre ela no BBC. Uma ilha comprada por crowfounding pela comunidade que transformou tudo em orgânico e sustentável, com praias e cavernas paradisíacas , fomos a Findhorn, participei do curso de dança que tanto queria, Conheci a arvore de pistache, a moita da alcaparra,florestas de alfarroba, tantas flores novas comestíveis, pancs europeias, Aprendi Françês, Fui a India Participei da maior meditação do mundo com mais de 3.5 milhões de pessoas, me banhei nas mais belas cachoeiras do País de Gales, me purifiquei nas águas sagradas do rio Ganges, e nadei no mar adriático paradisíaco da Croácia,
Andei milhas e quilômetros, e cada passo ganhou um novo significado após o compartilhar da pelegrinação de Satish Kumar no curso de Gandhi e Globalização. Colhi trigo e carreguei na cabeça como fazem as Indianas, aprendi o valor e o sagrada força das sementes. Plantei, como nunca plantei em toda minha vida, de sementes, a mudas, estacas, arvores, revolvi muita terra, tirei pedras do caminho, reguei, rezei para chover, aprendi que o planejamento de qualquer fazenda está intimamente relacionado a previsão do tempo, ciclos da lua e natureza. Colhi abundância, como é generosa essa tal natureza, difícil compreender a falta criada nos grandes centros. Andamos de carro, de ônibus de trêm, tram, Metrô, barco, veleiro, cruzeiro, avião, bicicleta, carona, sleeper bus, tuc,tuc e a pé.. devagar se vai ao longe, muito mais importante é a direção que a velocidade.
Descobri que existem pessoas vivendo da maneira que acredito ser melhor para o planeta, pessoas coerentes, que valorizam o planeta a natureza e a sustentabilidade isso me trouxe tanta esperança!
Aprendi que a comida é muito mais saborosa quando é fresca e recém colhida,que o pão é coisa séria na frança, e que maravilhoso poder fazer tantos pães, baguetes, brioches, croissants, milhares de tipos... de Milhares de tipos de grãos desde seu cultivo, colheita, estoque, moagem, farinha e pão assado sempre em forno a lenha. A falta de frutas no inverno traz a sabedoria e arte das conservas. Quanto aprendemos...
Passei o Natal com minha família, Fui a Bahia para um casamento especial da família do coração, bebi água de coco, tapioca, açaí... bolinho de estudante, pãozinho delícia e sambamos todas as coisas lindas que a Bahia tem! Fui no forró, Passamos a virada do ano na Chapada dos veadeiros, com muitos amigos queridos, e banhos de cachoeira na casa da avó do melhor amigo do Joaquim.
Fiz muita arte, aprendi a trançar cestas, desde o plantio e colheita das fibras, fiz filtros dos sonhos, pintei muros, fiz mosaico, retomei o Tricô, com auxílio da estimada Tia Lourdes que me lembra tanto minha queria avó, fiz sapatos, gorros e blusas que tanto nos aqueceram em dias frios na Inglaterra e comecei o crochê...arrisquei agulha circular mesmo ficando perdida nas primeiras voltas...Conheci agulha de tricô com ponta de crochê
Realizei um grande sonho de construir uma casa, construímos desde a base, uma cabana redonda, fundação em pedra, murro de terra palha e telhado reciproco. Construímos muros de pedras secos e molhados, aprendi a fazer concreto natural e de verdade, aprendi a serra madeira, usar parafusadeira e que fazer construções é mais simples do que se parece mais se gasta muuuita energia. 
Moramos em caravanas, Yurtas, Cotages, Casas centenárias de pedra, em pequenos vilarejos, em cidades mais populosas do mundo, dormimos no chão, compartilhamos a casa com mais 20 pessoas ( graças ao Universo 11 eram conhecidas!), Acampamos com vista para o mar num olival, dormimos em cima de um antigo Pub, e no sótão de uma casa vitoriana de 1700, dormimos no carro, dormimos em sofás cama, em cabanas bioconstruidas.
Respirei e meditei todos os dias, fiz massagens e tratamentos auyrvedicos, fiz retiro de silêncio, performei poojas de gratidão, aprendi orações de poder, curei meu bruxismo pela internet, vivenciei milagres, fiz yoga, dei aulas, participei do Hapiness, fui abençoada, me liberei de antigos padrões e me dei conta de tantos outros, me aceito cada dia um pouquinho mais. Amo cada dia mais o Universo, meu grande e querido amigo. Fui no médico e no dentista para visita-los pois os amo demais e os considero grades sábios. Recebemos elogios da nossa saúde. Ahh sim não tive nadinha de nada... talvez uma dor de garganta aqui e uma dor de cabeça ali, e alguns cortes de cozinha e jardim e queimadinhos de forno...

Tive perdas, mas celebrei encarei elas de diferentes maneiras *brilha, brilha, dança e brilha*. Perdi coisas, ganhei outras e reencontrei o que era realmente meu, nem que precisasse cruzar continentes.

Não peguei trânsito, respirei 90% de ar puro, comemos 85% da dieta orgânica, fique 1 mês sem comer açúcar,  não tomo mais banho todos os dias, e posso usar a mesma roupa por uma semana inteira, não fui nenhuma vez ao salão de beleza, e me acho mais linda do que nunca . cortei meu cabelo com uma grande amiga no  jardim de sua casa, me troquei no banheiro do avião para ir ao casamento.  Fui ao Brasil e voltei apenas com uma mala de mão e sigo viajando desde maio apenas com ela. E ainda assim acho que poderia viajar com menos.
Me desapeguei muito das coisas materiais, acho a propriedade e o senso de privado são no fundo uma ilusão e vejo tantos problemas criados por essa falsa ilusão, Vejo e vivo a beleza do compartilhar e a capacidade de criar realidades através de uma yes mind, através da fé, através da gratidão.
Aprendi que no fundo o mundo não tem barreiras, estamos todos conectados e cada vez mais pessoas estão se dando conta que a felicidade e a paz estão dentro delas mesmas, e que não há dinheiro no mundo capaz de comprá-las. Com certeza as melhores coisas da vida não são coisas e me considero extremamente afortunada por ter uma abundância de amigos e família que me possibilitam viver nessa rede de amor e alegria que é o compartilhar. Que todos os seres sejam felizes,Que todosos seres sejam livres de doenças,   que todos os seres realizem o que é bom, que ninguém seja submetido a tristeza. Paz interior, paz entre as pessoas e paz universal! Que assim seja, que assim já é! Aho

6 comentários:

  1. que lindo e emocionante....! amei! inspiração até....

    ResponderExcluir
  2. Ahooooo!
    Lindo texto, Paulinha!
    Feliz 33!
    <3

    ResponderExcluir
  3. Sensational! Profundamente verdadeiro! A Terra eh Tao abundante!! 💚🍀

    ResponderExcluir